Pular para o conteúdo principal

OS DILEMAS HUMANOS SEGUNDO ERICH FROMM - ENTREVISTA COM ANDRÉ DE MELO SANTOS

 

OS DILEMAS HUMANOS SEGUNDO ERICH FROMM

ENTREVISTA COM ANDRÉ DE MELO SANTOS

EDIÇÕES REDELP

 

 

André de Melo Santos é pesquisador, historiador e sociólogo. É graduado em História pela Universidade Federal de Goiás; Especialista em Ciência Política pela Universidade Estadual de Goiás; Mestre e Doutor em Sociologia pela Universidade Federal de Goiás. Em seu doutorado, desenvolveu tese sobre a concepção de socialismo em Erich Fromm, bem como escreveu artigos sobre esse autor. Assim, suas áreas de interesse vão da historiografia, passando pela ciência política e sociologia, até a psicanálise. André de Melo Santos também é organizador da obra Erich Fromm e os Dilemas Humanos na Sociedade Moderna (Goiânia: Edições Redelp, 2020). Ele nos concedeu uma entrevista sobre esta obra e questões correlatas visando trazer esclarecimentos a respeito da questão da contribuição de Fromm para entender os dilemas humanos na sociedade moderna. 

 

Edições Redelp: Qual é a intenção ou objetivo do senhor ao lançar essa obra na atualidade?

 

André de Melo Santos: Fromm foi um autor muito importante na minha formação intelectual. Estudei numa época em que o marxismo era muito criticado na academia e, eu tinha alguma leitura do marxismo e o Fromm contribuiu para essa formação no campo do marxismo. Penso que muitos pontos abordados em sua obra podem contribuir para a crítica da sociedade contemporânea como para a crítica do capitalismo.

 

Edições Redelp: Erich Fromm é um autor, como consta na obra, popular, pois foi traduzido em diversos idiomas e, no Brasil, suas obras tiveram várias reedições. Ao que se pode atribuir essa popularidade de Erich Fromm?

 

André de Melo Santos: Eu diria que seus textos tem uma linguagem simples para coisas complexas, ele consegue falar de marxismo e psicanálise de uma forma bem didática. As obras conhecidas como trilogia, Medo à Liberdade, Análise do Homem e Psicanálise da Sociedade Contemporânea são obras que exploram temáticas complexas, mas que a escrita é clara o que facilita e, ao mesmo tempo prende o leitor.

 

Basicamente o homem na sociedade capitalista não consegue desenvolver as suas potencialidades humanas. Essa sociedade proporciona a produção de riquezas ao mesmo tempo que o homem fica empobrecido no seu eu interior.

 

Edições Redelp: Curiosamente, lendo o livro, ficamos sabendo que, apesar de popular, Fromm não possui o mesmo reconhecimento nos meios acadêmicos e científicos. Como se poderia explicar isso? Existe uma contradição entre popularidade e reconhecimento na esfera científica?

 

André de Melo Santos: A academia vive de modas, na minha época de graduação na UFG, Weber era o autor que era tido como o grande exponencial nas ciências humanas, logo um autor marxista não vai ter muito espaço. Fromm também é acusado de “sociologizar” a psicanálise o que gera uma crítica no campo da psicologia. Fromm participou da fundação da Escola de Frankfurt isso geralmente não é lembrado pelos estudiosos dessa escola. Na educação, preferem o Adorno e não custa lembrar que nos movimentos de 1968 ele chamou a polícia contra os estudantes, algo contraditório para quem combate o autoritarismo. Logo, embora na obra de Fromm existam problemas, no geral sua obra é relevante, mas na academia muitas vezes vale mais a moda do que a relevância.

 

"A obra de Fromm apresenta uma discussão interessante 
sobre a liberdade, que é o cerne do dilema do homem moderno". 


Edições Redelp: O livro trata dos dilemas humanos na sociedade moderna a partir da perspectiva de Erich Fromm. Quais são esses dilemas? Não seria exagerado colocar assim? Não é apenas um título pomposo para vender livros?

 

André de Melo Santos: Basicamente o homem na sociedade capitalista não consegue desenvolver as suas potencialidades humanas. Essa sociedade proporciona a produção de riquezas ao mesmo tempo que o homem fica empobrecido no seu eu interior. Ao diagnosticar isso Fromm busca os caminhos para a sanidade, embora tenha se esquecido do caminho principal que é a transformação social. O título ficou adequado a discussão que Fromm faz ao longo de sua obra e, seria bom que livros como esse fossem além dos meios acadêmicos e alcançassem o grande público.

 

A grande contribuição de Fromm e do freudo-marxismo foi juntar essas duas teorias [psicanálise e marxismo] o que enriqueceu a compreensão da sociedade capitalista, abriu espaço para uma crítica desses mecanismos de dominação.

 

 

Edições Redelp: Erich Fromm é um psicanalista. O que ele, um psicanalista, tem a dizer sobre a sociedade moderna? Ele diz algo que os sociólogos já não disseram? Ele não cai num reducionismo psicologista?

 

André de Melo Santos: A psicanálise tem uma grande contribuição ao desvendar os mecanismos da mente humana, o inconsciente desvendado pela psicanálise contribui para compreender como o homem vive dentro de contradições e como a sociedade exerce a sua dominação sobre o indivíduo. Marx, que não era sociólogo, foi um autor que buscou compreender os mecanismos de dominação utilizados pela sociedade capitalista. A grande contribuição de Fromm e do freudo-marxismo foi juntar essas duas teorias o que enriqueceu a compreensão da sociedade capitalista, abriu espaço para uma crítica desses mecanismos de dominação.

 

Edições Redelp: Um dos temas que aparecem no livro é o da alienação. O conceito de alienação já rendeu dezenas de livros de filósofos, sociólogos, marxistas, psicólogos, até religiosos. Como se insere a discussão de Fromm a esse respeito?

 

André de Melo Santos: Para Marx, a alienação se dá no trabalho, o homem não controla o processo produtivo, passa a ser um meio e nesse processo ele perde a sua essência. O termo alienação é muito utilizado, mas com significados diferentes do conceito de Marx. Fromm também fala de alienação em um sentido muito amplo que por um lado comete equívocos, mas por outro chama atenção para questões de distanciamento do homem da sua essência que acaba gerando conflitos tanto no homem quanto na sociedade.

 

Ao longo de sua obra Fromm se colocou como defensor daquilo que o subjetivismo critica. Além disso, o subjetivismo combate o marxismo um dos pilares do pensamento de Fromm. Logo, sua discussão sobre liberdade serve tanto para o contexto do nazismo como para o contexto atual do neoliberalismo.

 

 

Edições Redelp: Outro tema presente na obra é o da liberdade. O que Erich Fromm traz de novidade sobre este tema, um dos mais antigos e debatidos da humanidade, desde as discussões sobre o “livre arbítrio”, passando pela discussão sobre a liberdade individual dos liberais, a concepção racionalista de liberdade de escolha, a concepção marxista de libertação humana, até chegar ao subjetivismo contemporâneo?

 

André de Melo Santos: A obra de Fromm apresenta uma discussão interessante sobre a liberdade, que é o cerne do dilema do homem moderno. Ao mesmo tempo que conseguiu se livrar da prisão que era submetido na sociedade feudal, o homem não conseguiu desenvolver as suas potencialidades e se tornou refém das ideologias da sociedade capitalista. Ao longo da história surgiram ideologias que diziam defender a liberdade, em linhas gerais o paradigma subjetivista, que é hegemônico hoje, se caracteriza pela crítica da razão, recusa da totalidade e da historicidade. Ao longo de sua obra Fromm se colocou como defensor daquilo que o subjetivismo critica. Além disso, o subjetivismo combate o marxismo um dos pilares do pensamento de Fromm. Logo, sua discussão sobre liberdade serve tanto para o contexto do nazismo como para o contexto atual do neoliberalismo.

 

Apesar de um diagnóstico bem elaborado sobre a sociedade capitalista, Fromm oscilou em colocar a questão fundamental, que é a transformação social.

 

Edições Redelp: O que Fromm pode contribuir para compreendermos a sociedade contemporânea, que mudou muito após sua morte em 1980?

 

André de Melo Santos: Podemos dizer que, no momento em que Fromm morre, o capitalismo estava na passagem do regime de acumulação conjugado para o integral. Isso coloca o fim das esperanças de um Estado de bem-estar. Fromm em momentos de sua obra imaginava um modelo de capitalismo reformado, o que se provou historicamente impossível e, o regime de acumulação integral com o Estado neoliberal, organização toyotista do trabalho e o hiperimperialismo veio para destruir os poucos ganhos que os trabalhadores tiveram no regime anterior. É possível que se Fromm tivesse acompanhado esse processo por mais tempo poderia rever alguns pontos de sua obra. Apesar de um diagnóstico bem elaborado sobre a sociedade capitalista, Fromm oscilou em colocar a questão fundamental, que é a transformação social.

 

Para mais informações sobre o livro Erich Fromm e os Dilemas Humanos na Sociedade Moderna, Clique Aqui.

Para ver o booktrailer desse livro, clique aqui.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A ATUALIDADE DAS CLASSES SOCIAIS: ENTREVISTA COM LUCAS MAIA

  A ATUALIDADE DAS CLASSES SOCIAIS: ENTREVISTA COM LUCAS MAIA Edições Redelp   Lucas Maia é militante autogestionário, doutor em Geografia e pós-doutor em Sociologia. É professor do Instituto Federal de Goiás – Campus Aparecida de Goiânia. Desenvolve pesquisas sobre a obra de Marx e o marxismo, debatendo a constituição, desenvolvimento e tendências do pensamento marxista. A partir de uma produção intelectual engajada, dedica-se ao estudo de diversos fenômenos políticos como movimentos grevistas, movimentos sociais, movimento operário, Estado, partidos, sindicatos, organizações autônomas, experiências revolucionárias etc., apreendendo-os como modos pelos quais se manifesta a luta de classes. É editor da Revista Enfrentamento e colabora em inúmeros periódicos. Tem vários artigos publicados em revistas, bem como capítulos de livros. É autor dos livros Comunismo de Conselhos e Autogestão Social (Rio de Janeiro: Rizoma Editorial, 2015)) e Nem Partidos, Nem Sindicatos: a Reemergência d

OS MOVIMENTOS SOCIAIS SOB PERSPECTIVA MARXISTA - ENTREVISTA COM GABRIEL TELES

  OS MOVIMENTOS SOCIAIS SOB PERSPECTIVA MARXISTA ENTREVISTA COM GABRIEL TELES EDIÇÕES REDELP   Gabriel Teles é pesquisador e sociólogo. É graduado em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Goiás; Mestre em Sociologia pela Universidade Federal de Goiás e Doutorando em Sociologia pela Universidade de São Paulo. Em seu mestrado desenvolveu tese sobre movimentos sociais, bem como dedicou vários outros escritos a esta temática. Assim, suas áreas de interesse são o marxismo, os movimentos sociais, entre diversos outros. Gabriel Teles é autor da obra Análise Marxista dos Movimentos Sociais (Goiânia: Edições Redelp, 2020). Ele nos concedeu uma entrevista sobre esta obra e questões correlatas visando trazer esclarecimentos a respeito da questão dos movimentos sociais na perspectiva marxista.   Edições Redelp: Qual é a intenção ou objetivo do senhor ao lançar essa obra na atualidade?   Gabriel Teles: Penso que há um

O MUNDO MÁGICO DOS SUPER-HERÓIS: ENTREVISTA COM IURI ANDREAS REBLIN

O MUNDO MÁGICO DOS SUPER-HERÓIS ENTREVISTA COM IURI ANDREAS REBLIN EDIÇÕES REDELP     Iuri Andreas Reblin é pesquisador, conferencista na área de Histórias em Quadrinhos, Mídia, Cultura Pop e Religião. É Doutor em Teologia pelo Programa de Pós-Graduação em Teologia da Escola Superior de Teologia (EST), em São Leopoldo, RS. É mestre e bacharel em teologia pela mesma instituição; Realizou estágio e estudos pós-doutorais pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP), sob a supervisão do prof. Dr. Waldomiro Vergueiro. É autor do livro O Alienígena e o Menino (Jundiaí: Paco Editorial, 2015) é resultado de sua pesquisa de doutorado, a qual conquistou o Prêmio Capes de Tese na área de Filosofia/Teologia, subcomissão Teologia, em 2013, por sua tese sobre Histórias em Quadrinhos, sendo a primeira (e única) tese premiada sobre o tema. Publicou diversas obras, entre as quais, Para o Alto e Avante: uma análise do universo criativo dos super-heróis (Porto Ale